Coração é o terceiro órgão mais transplantado no Brasil

O Brasil comemora 50 anos do primeiro transplante de coração no dia 26 de maio – meio século de vidas salvas pela medicina e por doadores! Hoje, mais de 280 pessoas esperam um coração, segundo o Sistema Nacional de Transplantes.

O coração é o terceiro órgão mais transplantado no Brasil, perdendo para o rim e para o fígado, de acordo com a Associação Brasileira de Transplantes de Órgãos.

O coração é um órgão sensível e não é simples de ser transplantado, como explicou o cirurgião cardíaco Fábio Jatene, no Bem Estar desta terça-feira (22). Ele precisa ser retirado e implantado em até quatro horas e depende de uma morte específica do doador.

Coração artificial fica ligado ao coração natural

Coração artificial fica ligado ao coração natural

E quando transplantar? De acordo com o cardiologista Roberto Kalil, o transplante é necessário quando a falência do órgão é irreversível. Isso pode ocorrer por doença das coronárias, problemas na válvula ou problema do músculo.

Para receber o coração, a pessoa precisa estar inscrita em uma lista de espera monitorada pelo Sistema Nacional de Transplantes. O que determina a compatibilidade é o tipo sanguíneo, a dosagem de algumas substâncias colhidas no exame de sangue e características físicas.

Quem pode doar? Todos nós podemos ser doadores de órgãos. Pessoas menores de 21 anos precisam de autorização dos responsáveis. O mais importante é comunicar a família.

Bem Estar acompanha a espera de uma bebê por um coração

Bem Estar acompanha a espera de uma bebê por um coração

Espera por um coração

Desde janeiro, o Bem Estar acompanha a história da Lorena, um bebê que veio para São Paulo em busca de tratamento. Com uma semana de vida, ela começou a mostrar um certo cansaço. Depois de alguns exames, veio o diagnóstico: ela nasceu com um problema grave no coração.

Lorena nasceu com uma doença rara, chamada miocardiopatia não compactada. Isso quer dizer que o músculo do coração não se desenvolveu. Isso traz cansaço e falta de ar.

Os remédios não fizeram efeito e a criança precisava de um transplante, mas não podia esperar muito. Foi então que a família mudou de Maceió para São Paulo. “Ela chegou no Instituto do Coração numa situação muito debilitada. No momento que ela internou, ela precisou ser entubada”, relata a médica supervisora da UTI cirúrgica do Incor/HC Filomena Dalas.

A primeira ajuda batia fora do peito – um coração artificial. Depois de cinco meses, a boa notícia: um coração compatível!

 Antes da cirurgia, os médicos precisam retirar os aparelhos que ajudaram a manter Lorena viva durante todo o tempo. Foram nove horas de cirurgia ao todo. Um mês depois, a primeira biopsia e nenhuma rejeição! Agora é continuar monitorando!

Fonte: G1

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *