Carnaval: HIV/AIDS

preocupação deve existir no ano todo, mas no carnaval se intensificam as campanhas de prevenção a doenças sexualmente transmissíveis. Neste ano, o esforço é de elevar o tom de alarme para os mais jovens, grupo no qual o Ministério da Saúde vem constatando menor hábito de usar preservativos – e maior índice de contágio por HIV.

Até o fim do carnaval, as peças publicitárias do governo estarão em TVs, revistas e redes sociais propagando o slogan “No carnaval, use camisinha – e viva essa grande festa!”.

A campanha chama atenção para o alto número de pessoas no Brasil que têm HIV mas ainda não sabem – aproximadamente 112 mil brasileiros – e para os cerca de 260 mil que vivem com o vírus mas ainda não se tratam, o que as torna propagadores da doença.

A falta de prevenção no início da vida sexual tem preocupado o Ministério de Saúde, afirma Adele Schwartz Benzaken, diretora do Departamento de Infecções Sexualmente Transmissíveis, Aids e Hepatites Virais.

“Nos últimos anos temos observado que a população mais jovem está reduzindo o uso do preservativo”, alerta, citando a última Pesquisa de Comportamentos e Atitudes e Práticas, que indica que, entre jovens de 15 a 24 anos, apenas 56,6% usam camisinha com parceiros eventuais.

 Bloco Céu na Terra, no Rio de Janeiro: governo quer distribuir 74 milhões preservativos masculinos e 3,1 milhões femininos no Carnaval  (Foto: Reuters/Ricardo Moraes)

Bloco Céu na Terra, no Rio de Janeiro: governo quer distribuir 74 milhões preservativos masculinos e 3,1 milhões femininos no Carnaval (Foto: Reuters/Ricardo Moraes)

As ações do governo durante o carnaval incluem a presença de “homens camisinha” distribuindo preservativos nas ruas – serão 74 milhões preservativos masculinos e 3,1 milhões femininos. Estão sendo realizadas também campanhas informativas com foliões nos blocos, em cidades como Rio, Recife, Salvador e Ouro Preto.

O principal foco do Ministério da Saúde é a prevenção de HIV/Aids. Mas especialistas alertam para o risco de propagação de outras doenças, como HPV, herpes genital, gonorreia, hepatite B e C e sobretudo sífilis – que vem apresentando aumento no número de ocorrências no Brasil, acompanhando uma tendência mundial.

Saiba mais sobre cada doença abaixo. Todas podem ser evitadas com o uso do preservativo.

HIV/Aids

O vírus da imunodeficiência humana é o causador da Aids, que ataca o sistema imunológico e derruba o sistema de defesa do organismo.

No Brasil, a epidemia de HIV/Aids é considerada estabilizada, mas vem avançando entre os mais jovens.

Na última década, o índice de contágio mais que dobrou entre jovens de 15 a 19 anos, passando de 2,8 casos por 100 mil habitantes para 5,8 casos.

Também aumentou na faixa etária entre 20 a 24 anos, chegando a 21,8 casos a cada 100 mil habitantes.

“Isso mostra que nossa população jovem está mais vulnerável ao HIV e precisa acessar mais conhecimento e os serviços de saúde para se testar”, afirma a infectologista Brenda Hoagland, pesquisadora do Laboratório de Pesquisa Clínica em DST e AIDS do Instituto Nacional de Infectologia Evandro Chagas (INI/Fiocruz).

“Como a nova geração não assistiu à epidemia quando o HIV ainda não tinha tratamento, é possível que não tenha uma percepção sobre a gravidade do HIV, o que aumenta nossa responsabilidade de informar sobre sobre riscos e prevenção”, acrescenta ela.

Atualmente, cerca de 827 mil pessoas vivem com o HIV no país, e aproximadamente 112 mil brasileiros têm o vírus, mas não o sabem.

  Cordão do Bola Preta, no Rio de Janeiro: apenas 56,6% dos jovens brasileiros usam camisinha com parceiros eventuais  (Foto: J.P.ENGELBRECHT / AFP)

Cordão do Bola Preta, no Rio de Janeiro: apenas 56,6% dos jovens brasileiros usam camisinha com parceiros eventuais (Foto: J.P.ENGELBRECHT / AFP)

O tratamento contínuo ao HIV pode controlar a doença, garantir a sobrevida dos infectados e tornar o vírus indetectável (o que equivale a prevenir a transmissão com uma segurança de 96%). Mas não pode curá-la. O teste rápido costuma detectar a infecção cerca de 15 dias após o contágio.

As campanhas costumam focar no uso da camisinha como método de prevenção, mas é essencial conhecer também a proteção disponível para casos de relação de risco desprotegidas, frisa Brenda – a chamada profilaxia pós-exposição, ou PEP, um conjunto de medicamentos contra o HIV que devem ser ingeridos por 28 dias no período imediatamente após o possível contágio.

“Se uma pessoa teve uma relação sexual desprotegida em que suspeite de risco para o HIV, ela deve procurar um serviço de saúde até no máximo 72 horas após a relação. Ou seja, se a camisinha rompeu ou deixou de ser usada, a pessoa pode buscar o atendimento numa emergência e o serviço é gratuito”, ressalta a infectologista, acrescentando que quanto mais cedo se inicia o tratamento dentro dessas 72 horas, maiores suas chances de eficácia.

Fonte: G1 Globo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *