Arritmia Cardíaca

O QUE É?

Também conhecida como disritmia ou “palpitação”, a arritmia cardíaca é uma alteração nos batimentos do coração. Se ele bater muito rápido, é chamado de taquicardia. Caso for muito lento, o nome dado é bradicardia. Normalmente, um coração sadio e descansado tem de 60 a 100 batidas por minuto.

Quem tem esse problema de saúde pode sentir um desconforto com a mudança na cadência ou ter a sensação de falta ou interrupção desses batimentos. A arritmia pode ser sentida no tórax, na garganta ou no pescoço.

As arritmias podem ser benignas, que causam apenas desconforto, ou malignas, com alto risco de morte súbita. A doença pode fazer com que o coração não consiga bombear sangue suficiente para suprir as necessidades do corpo, o que pode causar infarto.

A arritmia mais comum é a fibrilação atrial. Ela ocorre devido ao ritmo irregular proveniente dos átrios, que mandam estímulos de forma desorganizada e rápida. Como resultado, há um ritmo irregular, que pode fazer com que o sangue não circule como deveria, podendo gerar a formação de um trombo. O problema de saúde aumenta com o avançar a idade.

Como funciona o coração?

Para realizar a irrigação sanguínea, o coração precisa de energia que vem das artérias coronárias. Os batimentos ocorrem de forma organizada por meio de um impulso elétrico, fazendo com que a contração do músculo seja efetiva para bombear o sangue para o corpo e pulmões.

Qualquer alteração que cause um funcionamento elétrico inadequado do sistema de condução ocasiona as arritmias cardíacas.

Doenças associadas

A arritmia, quando não tratada, pode causar outras doenças, como angina, ataque cardíaco, insuficiência cardíaca e derrame.

DIAGNÓSTICO

Ao ter algum sintoma de arritmia cardíaca, a pessoa deve procurar um cardiologista que avaliará o histórico clínico do paciente, além de solicitar exames capazes de auxiliar na identificação do problema, como:

• Ecocardiograma: também conhecido como EcoDopplercardiograma, é uma ultrassonografia que mostra imagens do coração. O objetivo é verificar a estrutura e o funcionamento do órgão. Com o resultado, o médico consegue fazer a avaliação do fluxo sanguíneo. O procedimento não exige nenhum tipo de preparo para o paciente.

• Eletrocardiograma: exame de rotina que integra o check-up cardiológico por meio de eletrodos colocados sob a pele no tórax, nos braços e nas pernas. É usado para que o médico possa avaliar o ritmo do coração do paciente e o número de batimentos por minuto. Em alguns casos, torna-se necessário realizá-lo durante os sintomas, pois o resultado pode ser normal mesmo em casos de pessoas com arritmia. O procedimento não exige nenhum tipo de preparo para o paciente.

• Estudo eletrofisiológico: é um teste realizado por meio de cateteres que permite uma avaliação completa do sistema elétrico do coração. Também induz arritmias por meio de estimulação do coração, em pacientes com predisposição.

• Holter 24 horas: importante para monitorar a atividade cardíaca por 24 horas. Durante esse período, o paciente mantém quatro eletrodos colados no tórax e conectados por meio de cabos ao gravador, que fica fixado na cintura. Durante o exame, o paciente não deve usar cremes na região do tórax.

• Monitores de eventos: são aparelhos que gravam o eletrocardiograma por 7 a 15 dias e são acionados pelo próprio paciente, quando a crise aparece.

• Teste ergométrico: é realizado para detectar arritmias que aparecem durante o esforço físico ou para observar o comportamento da arritmia durante o esforço. Sendo assim, coletam-se dados do paciente e depois colocam-se 10 eletrodos no tórax para registro do eletrocardiograma. A pessoa é colocada em uma esteira rolante e o exercício é realizado conforme o protocolo escolhido. A pressão arterial e traçados eletrocardiográficos são registrados antes do esforço e ao final de cada etapa.

• Tilt-teste: indicado para pessoas que têm desmaios, tonturas, visão turva ou sudorese. O paciente é deitado em uma mesa que se inclina e a pressão sanguínea e os batimentos cardíacos são monitorados. Se a frequência cardíaca ou a pressão apresentar queda, o exame é considerado positivo.

FATORES DE RISCO

Entre os fatores que podem levar uma pessoa a sofrer de arritmia cardíaca está o infarto. Pacientes que já passaram por essa experiência estão mais propensas a terem arritmias.

Além desse fator, confira outros motivos que podem causar a doença e evite-os:

• Alcoolismo: ainda sem evidências científicas claras, sabe-se que o uso de bebidas alcoólicas em excesso está associado a episódios agudos de arritmia em algumas pessoas.

• Diabetes: pessoas com diabetes têm mais chances de desenvolver o problema de saúde aumentando os riscos de sofrer um infarto ou derrames. Esse risco é maior para quem toma medicamento para tratar diabetes e com controle glicêmico ruim.

• Drogas e medicamentos: drogas ilícitas como cocaína, maconha, ecstasy e crack, podem causar diversos tipos de arritmias, inclusive levar à morte. Alguns medicamentos descongestionantes, antitussígenos, suplementos nutricionais podem levar ao aceleramento do coração.

• Estresse: em excesso, o estresse pode deixar a pessoa mais propensa a ter arritmias como a fibrilação atrial. O estresse crônico causado, geralmente, pela apneia do sono, hipertensão arterial e insuficiência cardíaca, pode levar à arritmia e até mesmo morte súbita.

• Hipertensão: quem tem pressão alta possui maiores riscos de desenvolver doenças cardíacas. Sendo assim, pessoas com a pressão acima de 12 por 8 precisam de tratamento adequado e acompanhamento médico.

• Poluição do ar: um estudo da Suécia demonstrou que a exposição à poluição pode rapidamente (em apenas duas horas) induzir à arritmia ventricular.

• Tabagismo: o uso do tabaco pode levar ao aceleramento do coração (taquicardia sinusal), sentido geralmente por meio de palpitações. Além disso, o cigarro pode causar a doença coronariana, que pode levar a arritmias.

PREVENÇÃO

A prevenção de arritmias cardíacas está associada ao que a pessoa faz para evitar os fatores de risco. Para as doenças do coração, é indispensável o controle da pressão arterial, obesidade, manter uma alimentação saudável, além de incluir atividades físicas no dia a dia.

A visita regular ao cardiologista também é fundamental para uma detecção precoce de doenças pré-existentes. Assim, o paciente poderá ter atitudes específicas para os cuidados em relação às arritmias.

Nutrição

O consumo excessivo de café, chocolate, refrigerante e bebidas alcoólicas está diretamente ligado ao sistema nervoso e ao coração. Para quem já sofre de arritmia, o café pode gerar batimentos mais rápidos do órgão e, por isso, a bebida não é indicada para quem sofre da doença.

Em alguns casos, é liberado o consumo de 1 copo (300 ml) por dia de cafeína. Para quem quer perder peso, a dica é não se basear pelas dietas da moda, que apontam efeitos milagrosos.

Alimentos que contém ômega 3 e 6 são indicados na prevenção de arritmia e podem ser inseridos no cardápio do dia a dia. Nozes, castanhas, milho, soja e peixes são alimentos que possuem essas propriedades.

Cada organismo responde de uma maneira a diversos tipos de tratamento e alimentação. Para isso, é indispensável o acompanhamento de um profissional da nutrição, que apontará a dieta ideal.

Atividades físicas

Exercícios físicos leves são indicados para quem tem arritmia cardíaca. Eles devem ser recomendados pelo médico e acompanhados por um preparador físico.

A prática também é recomendada para quem é sedentário e deseja prevenir a doença. A série de exercícios indicados para seu amigo, por exemplo, nem sempre será adequada para seu porte físico e condições clínicas.

Antes de começar a praticar qualquer tipo de exercício, é indispensável uma avaliação médica para a liberação e indicação do que deve ou não ser praticado.

SINTOMAS

Os sinais de arritmia não são contínuos, podendo aparecer de forma repentina e desaparecer, voltando depois. Esses sinais podem afetar pessoas com o coração saudável ou aqueles que já possuem alguma doença cardíaca instalada. Confira os sintomas mais comuns:

• Falta de ar

• Dores no peito

• Excesso de suor

• Sentir o coração lento ou acelerado

• Desmaio súbito

• Palpitações

• Tontura

• Ansiedade

• Palidez

TRATAMENTO

Há diversos tipos de tratamento para a arritmia cardíaca, e a escolha depende do tipo de arritmia, frequência e gravidade da doença.

• Ablação por cateter: é realizada uma cauterização por meio de radiofrequência no tecido cardíaco responsável pela arritmia. É feito com cateteres introduzidos no coração.

• Cardioversão elétrica: é um tipo de choque elétrico dado no tórax para restaurar o ritmo normal do coração. Essa técnica é utilizada quando as medicações falham ou quando a pessoa apresenta sintomas intensos.

• Cirurgia cardíaca: intervenções cirúrgicas podem corrigir arritmias para tratar outras doenças no coração.

• Desfibrilação: além de diagnosticar arritmias cardíacas, o desfibrilador automático externo pode parar a arritmia. Isso acontece quando, por meio de uma desfibrilação, que é uma aplicação de corrente elétrica, as batidas do coração retomam o ciclo cardíaco normal.

• Implante de marcapasso: o objetivo é que o marcapasso regule os batimentos do coração, e isso acontece pelo estímulo elétrico do aparelho. Existem dois tipos de cirurgias para o implante do marcapasso. A mais comum é a endocárdia, que introduz os eletrodos do marcapasso por meio das veias que chegam ao coração. A outra, mais comum em crianças, chama-se epicárdica. Neste caso, os eletrodos são implantados no músculo cardíaco.

• Medicações: há várias drogas que podem ser utilizadas no tratamento das arritmias. Algumas são usadas para converter a arritmia em um ritmo normal, outras controlam a frequência cardíaca e alguns podem ser usados para diminuir a formação de coágulos no coração.

• Medicação intravenosa: é uma opção de tratamento com medicamentos que evitam a arritmia e impedem as alterações nos batimentos do coração. Alguns medicamentos podem apresentar efeitos colaterais. O paciente geralmente precisa ingeri-los diariamente pelo período em que viver.

lado a lado pela vida

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *