Limpeza, higienização e desinfecção: saiba a diferença

Termos possuem conceitos bem diferentes; entenda também o que é sanitização e esterilização

Escrito por Redação via Redação Minha Vida

Mais do que uma questão estética para o ambiente, manter os objetos limpos e longe de microrganismos, como bactérias, vírus e fungos, é um fator de proteção à saúde. Afinal, esses agentes infecciosos podem ser causadores de uma série de doenças e a limpeza é a melhor forma de combatê-los.

Nesse sentido, é importante conhecer algumas técnicas, como higienização, sanitização, desinfecção e esterilização. Isso porque, embora esses termos sejam, muitas vezes, usados como sinônimos, existem diferenças entre seus conceitos – e que revelam o quanto uma superfície pode estar livre ou não de germes. Entenda:

Diferença entre limpeza, higienização e desinfecção
Segundo o químico Renan Pioli, membro da Câmara de Produtos Químicos da Abralimp (Associação Brasileira do Mercado de Limpeza Profissional), a diferença entre limpeza, higienização, sanitização, desinfecção e esterilização consiste no quanto cada processo consegue eliminar sujeiras e microrganismos.

A limpeza, de acordo com o especialista, é o ato de remoção de qualquer sujeira que é visível a olho nu. Ela nada mais é do que passar um pano (seco ou úmido) em superfícies, sem se atentar ao percentual de sujeira removida ou aos microrganismos eliminados – apenas no que o olho humano não vê mais.

Por outro lado, a desinfecção tem como foco tudo aquilo que o olho não enxerga: ou seja, os microorganismos. “Mais especificamente, deve ocorrer a eliminação de 99,9999% de microorganismos na desinfecção. Isso significa que, de um milhão de microorganismos, deve sobrar apenas um”, diz Pioli.

A higienização de uma superfície, por sua vez, é a combinação entre a limpeza e a desinfecção de um objeto. Portanto, é uma das técnicas mais usadas dentro de casa, especialmente em ambientes que estão mais expostos ao acúmulo de germes, como banheiro e cozinha.

Sanitização e esterilização
A sanitização também é um processo que elimina quase a totalidade de microorganismos de uma superfície: 99,9%. Porém, diferente da desinfecção, ela envolve produtos de limpeza que são específicos para essa técnica e costuma ser um processo voltado para a indústria alimentícia – dificilmente utilizada no dia a dia doméstico.

De acordo com um manual da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), o uso de produtos saneantes também é indicado para situações em que pode haver respingos de sangue, fezes e urina nas superfícies. Assim, a técnica também é bastante indicada para ambientes hospitalares, clínicas e petshops.

Por fim, a esterilização consiste em um procedimento que remove e elimina 100% dos microrganismos de uma superfície. Em geral, pode ser feita por meios físicos (com uso de vapor, pressão e radiação) ou químicos (com uso de produtos específicos), a depender do tipo de material que será esterilizado.

Segundo Prioli, a limpeza deve ser feita independentemente do objeto e sempre antes de qualquer um dos processos citados, uma vez que é necessário remover partículas maiores de sujeira antes de eliminar microorganismos de dimensões menores.

Produtos para eliminar microrganismos
Para determinar o produto que será utilizado em cada tipo de técnica, a regra é ler o rótulo e ver para qual finalidade o material foi elaborado. Atualmente, há opções no mercado que são capazes que realizar limpeza e desinfecção de uma só vez. Outros necessitam que cada etapa seja realizada separadamente.

“Sabões são usados para limpar, enquanto álcool (líquido ou em gel) e água sanitária são usados como desinfetantes. Todos esses produtos citados, desde que corretamente registrados na Anvisa, são eficazes”, diz Prioli.

Quanto à sanitização e esterilização, ambos pedem compostos químicos mais agressivos do que o álcool ou a própria água sanitária e são usados em contextos específicos, como citado anteriormente. Muitos desses produtos, inclusive, são de uso restrito e controlado.

Produtos de limpeza caseiros
Com a intenção de ter produtos de limpeza sempre à mão e também contribuir com o meio ambiente, fazendo a reciclagem de gordura, não é raro que algumas pessoas cultivem o hábito de preparar seus próprios produtos em casa – como é o caso do sabão caseiro.

Entretanto, Prioli alerta que este tipo de solução nem sempre é a melhor alternativa. ?Não recomendamos a fabricação de produtos de limpeza ou sabões caseiros, pois, além de serem perigosos, não há um controle de qualidade que garanta a eficácia antimicrobiana?, avisa o especialista.

Assim, a orientação é preferir as opções que são avaliadas pela Anvisa e outros órgãos de controle para minimizar qualquer risco direto e indireto à saúde. Portanto, tenha atenção na hora de adquirir seus produtos de limpeza para ter uma casa sempre limpa e segura.

Dicas de limpeza e higienização
5 passos para lavar corretamente os alimentos

O que limpar quando chegar do mercado durante pandemia?

Além do álcool gel: veja produtos que eliminam o coronavírus

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *